Qual o endereço do seu home office?

Leia minha coluna mensal para o blog da Imobi Report da Agência CUPOLA

O mês de outubro começou com a notícia de que a cidade de São Paulo entrou na fase verde, com a  retomada consciente de atividades econômicas não essenciais.

Após 7 meses em estado de confinamento e isolamento social e mais de 150 mil mortes no Brasil (Fonte: Olhar Digital) enfrentamos agora os desafios que ficaram por alguns meses como um horizonte distante mas que, parece se aproximar. A pandemia ainda está aí e, a flexibilização das atividades econômicas abre uma nova forma de nos relacionarmos com os universos casa e trabalho.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Com escritórios pouco ocupados e algumas posições definitivamente transferidas para o trabalho remoto, é preciso estarmos atentos à “cabana”. 

Sair de casa e voltar a frequentar espaços públicos pode ser uma tarefa mais complexa após este longo período em confinamento. A “síndrome da cabana”, que não é considerada um transtorno mental, mas sim um acometimento, é causada por um estresse adaptativo entre pessoas que possam passar por dificuldades emocionais ao ter que sair do estado de retiro em sua casa e voltar às atividades presenciais no trabalho, às compras no comércio ou tenham que comparecer a um local público.

A expressão, que tem origem no início do século 20, serviu para relatar vivências de pessoas que ficavam isoladas em períodos de nevasca no Hemisfério Norte e que depois tinham que retomar o convívio (fonte: Agência Brasil).

Com os escritórios pouco ocupados, o trabalho à distância como parte da nova rotina e os medos que surgem no retorno, são muitas as dúvidas de como voltar a frequentar locais compartilhados, como os nossos locais de trabalho.

O mercado imobiliário mostrou um poder de reação à pandemia muito diferente de outros setores, registrando alta nas vendas e no número de novos lançamentos.

E o home-office, como fica?

Pois é, você também deve ter percebido como ficou difícil manter o silêncio no dia a dia para o ritmo de tantos calls, lives e vídeo chamadas. 

Até agora, as escolas não retornaram às atividades de forma integral e o ensino à distância precisa conviver com o trabalho remoto. Tarefa nada fácil para quem precisa acomodar tantas pessoas conectadas simultaneamente sob o mesmo teto.

E ainda mais quando tudo isso acontece ao som das batidas das reformas dos vizinhos.

Os dados do último balanço divulgado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) mostram que o segmento de Casa e Construção mostrou um crescimento de 36% em julho em relação ao mesmo período do ano passado, motivado por reformas residenciais e adequações para home-office.

Se de um lado as reformas acontecem de vento em popa, de outro, a necessidade por um local mais silencioso e sem tantas interferências do dia a dia se mostra cada vez mais urgentes.

Daí o endereço do “novo home-office”. Aqueles escritórios que migraram a totalidade ou grande maioria dos colaboradores para o trabalho remoto viraram a segunda casa de quem precisa trabalhar mas não encontra o espaço adequado dentro da própria residência.

A busca por lares que servissem também como ambiente de trabalho e o movimento de pessoas para outros bairros com intuito de baratear gastos com moradia impulsionou o mercado. Só em setembro, foram fechados mais de 6 mil novos contratos, superando patamares pré-pandemia (Fonte: Folha de S. Paulo).

Mantendo o isolamento social ou até mesmo sendo o único representante da empresa a utilizar o espaço, esse “single office” começa a ser uma solução para quem precisa de momentos de dedicação e produtividade, que muitas vezes não são possíveis no espaço tradicional do home-office.

Em junho, a OIT Organização Internacional do Trabalho). publicou um documento destacando a importância do equilíbrio entre a vida pessoal, profissional e a saúde, a fim de flexibilizar a rotina para que o trabalhador não fique 24 horas por dia ligado ao emprego no regime home office.

A necessidade de ter um “espaço possível” é uma demanda que surge neste momento no mercado: como oferecer soluções que possam atender quem precisa trabalhar em home-office e que precisa de um novo endereço para isso. 

***

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Contrate palestras sobre liderança, liderança feminina e diversidade para a sua empresa.

Elisa Tawil Idealizadora e co-fundadora do movimento Mulheres do Imobiliário, LinkedIn Top Voices, colunista no blog Revista HSM (Empresas Shakti), idealizadora e host do podcast Vieses Femininos. Consultora estratégica para o Real Estate e mentora de negócios.

Compartilhe esta postagem
Elisa Tawil é a Idealizadora, co-fundadora e líder do Mulheres do Imobiliário. LinkedIn Top Voices, TEDx Speaker, produz e apresenta o podcast Vieses Femininos. Colunista HSM Management, do Imobi Report e Exame Invest, atua pela equidade de gênero especialmente no setor imobiliário. Autora de Proprietárias: A ascensão da liderança feminina no setor imobiliário.

Não há comentários neste post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Shopping Cart